História da linha - série 200 - W114/115 - Bestcars

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História da linha - série 200 - W114/115 - Bestcars

Mensagem por ATS em Ter 23 Out 2007 - 14:12



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Aprovação mundial
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A série 200, ou W114/W115, foi um grande sucesso
da Mercedes-Benz nos quatro cantos do planeta
Texto: Francis Castaings - Fotos: divulgação
A mais famosa fabricante de sedãs de luxo da Alemanha, a Mercedes-Benz, situada em Stuttgart, ficou ainda mais conhecida depois de 1950. Com carros bonitos, seguros e luxuosos, seu prestígio sempre foi grande nos quatro cantos do mundo.

Em 1968, no Salão de Frankfurt, para substituir o já antiquado 190 (plataforma W110, na denominação interna da marca), lançava um modelo que faria muito sucesso: o de série 200 ou plataforma W114/W115. O novo sedã tinha linhas equilibradas, modernas e bonitas, com três volumes distintos e quatro portas, e uma gama enorme de motores a gasolina e a diesel.
Do pacato 200 ao mais potente 280, passando pela versão a diesel, um dos Mercedes de maior sucesso, precursor da atual Classe E
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Na frente vinham a tradicional grade do radiador, com a famosíssima estrela de três pontas em cima, e os faróis retangulares em posição vertical. A traseira era bonita e de desenho simples. Na tampa do porta-malas, a estrela ficava ao centro e o logotipo que distinguia a versão à esquerda. Transportava com muito conforto cinco ocupantes. Era chamado de pequeno Mercedes, mas media 4,68 metros de comprimento. 

O motor básico era um quatro-cilindros de 1.988 cm3 e 95 cv a 4.800 rpm, com comando de válvulas no cabeçote. O câmbio de quatro marchas podia ter alavanca na coluna de direção, para os mais tradicionais, ou no assoalho. Também era oferecida a opção automática. Com tração traseira, sua velocidade máxima era de 165 km/h e a aceleração não arrancava suspiros, pois era pesado -- 1.310 kg.

Logo depois vinha o modelo 220, um pouco mais ágil que o 200. O modelo 230 agradava mais, com seis cilindros em linha e 2.292 cm3. A potência subia para 120 cv e era equipado com dois carburadores. Existia a opção de câmbio de cinco marchas e a final beirava os 175 km/h. Como os demais modelos, tinha freios a disco nas quatro rodas e usava pneus de aro 14 pol. Todos os modelos tinham belas calotas, com o círculo central na cor da carroceria.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Linhas equilibradas, interior confortável e robustez mecânica não escondiam a origem: era mais uma série da marca de Stuttgart
Para aqueles que desejavam um carro de luxo mas econômico, a opção 220 D era oferecida. O motor diesel de quatro cilindros e 2.160 cm3 atingia 60 cv, levando-o à máxima de 136 km/h com uma aceleração lenta. Nessa época os motores a óleo diesel eram pouco potentes, faziam muito barulho e vibravam. Mas esse MB foi muito vendido, por ser robusto e econômico. 

No mesmo ano, em outubro, era lançada um versão que fez bastante sucesso, com distância entreeixos maior: a Lang (longa). Media 5,34 metros e pesava 1.545 kg. De lado a diferença era clara: porta traseira grande e três vidros laterais. Fez muito sucesso como táxi e como carro de agências de turismo, além de serviços em embaixadas, consulados e grandes empresas.

Neste caso poderia receber bagageiros cromados sobre o teto ou sobre o porta-malas. Dependendo da opção, transportava seis ou sete passageiros mais o motorista. Podia receber tanto o motor do 230 quanto o 220 D. Este modelo já apareceu muito na novela O Clone, da rede Globo, em cenas filmadas no Marrocos. [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Em 1968, no Salão de Bruxelas, na Bélgica, chegava uma opção muito interessante para a linha, a 250. Por fora era identificada pelo pára-choque com lâminas duplas e a grade de barras mais finas. O motor era um seis-cilindros herdado do antigo (e maior) 250 S, com 2.496 cm3, 130 cv a 5.400 rpm e dois carburadores. O virabrequim tinha cinco mancais e não quatro, como os 230. Sua velocidade máxima era de 182 km/h.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
O modelo cupê tinha perfil próprio, com linhas suavemente esportivas
Muito estável em curvas e em altas velocidades, era silencioso e confiável. Apesar de não ser um primor em aerodinâmica, fluía muito bem, dando muita segurança ao motorista. Por dentro, toda a linha 200 recebia o mesmo capricho. Bancos confortáveis, dianteiros individuais, com ou sem apoio de cabeça, tecido de boa qualidade, opção pelo couro. O volante, de grande diâmetro como manda a escola alemã, tinha um aro externo metálico para acionar a buzina -- e esta tinha um som inigualável, muito imitado por outros. A direção era assistida. No painel havia três mostradores redondos, incluindo conta-giros. O teto solar era um acessório muito bem vindo, que dava um charme extra. 

Em 1969, também no salão belga, era apresentada uma versão que até hoje é objeto de coleção: o modelo cupê. Clássico e distinto, não era um esportivo, mas tinha bela aparência. O teto era um pouco mais baixo e o pára-brisa mais inclinado. Tinha o mesmo comprimento do sedã, mas suas portas eram maiores e a coluna traseira tinha maior inclinação. Era confortável para quatro pessoas. Com o mesmo motor seis-cilindros, sua denominação era 250 C.

Em abril de 1972 mais um motor estava disponível: um novo de 2.746 cm3, duplo comando de válvulas e potência de 160 cv a 5.500 rpm. A versão 280 chegava a 190 km/h e recebia também pneus radiais 185 HR 14. Por fora havia pára-brisa laminado e, opcionalmente, um dispositivo de limpeza dos faróis. Sofisticação extra. Logo depois este motor recebia injeção eletrônica, passando a 185 cv, com velocidade máxima de 205 km/h. O modelo duas-portas também recebia estas motorizações; na parte externa a dupla saída de escapamento chamava a atenção.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
A versão de entreeixos longo foi usada em muitas aplicações, tornando-se até ambulância
Em outubro de 1973, no Salão de Paris, toda a linha 200 recebia modificações estéticas. A grade estava mais larga e mais baixa, na traseira vinham novas lanternas com ranhuras, e por dentro a parte central do volante agora era emborrachada. A regulagem dos retrovisores passava a ser interna. A nova versão 240 D trazia uma luz-piloto no painel, indicando o pré-aquecimento, quando o motor a diesel podia ser ligado.

Em janeiro de 1976 a série era substituída por uma mais moderna. A revista da fábrica alemã, In Aller Welt (Em todo o mundo), mostrava-o em várias paisagens do planeta, demonstrando sua aceitação mundial. Foi mesmo um carro confiável e resistente, que é visto hoje nas mãos de colecionadores e usuários comuns que o utilizam no dia-a-dia.
avatar
ATS
Usuário Platina
Usuário Platina

Número de mensagens : 2424
Data de inscrição : 22/10/2007
Interesses : Mercedes antigas, BMW auto und motorrad, carros e motos antigas, scooters, bicicletas...
Sexo : Masculino Advertências : Sem restrição

Voltar ao Topo Ir em baixo

W115 220 1970

Mensagem por amilcar em Sex 7 Mar 2008 - 14:19



Minha w115 tem o capo do cofre do motor extremamente leve.É alguma opão da época ou é de "linha", comum?

amilcar
Usuário Iniciante
Usuário Iniciante

Número de mensagens : 16
Data de inscrição : 02/03/2008
Interesses : carros antigos
Sexo : Masculino Advertências : Sem restrição

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História da linha - série 200 - W114/115 - Bestcars

Mensagem por ATS em Sex 7 Mar 2008 - 16:45



Pergunta para os "universitários"...digo, o consultor técnico e entendidos... :D
avatar
ATS
Usuário Platina
Usuário Platina

Número de mensagens : 2424
Data de inscrição : 22/10/2007
Interesses : Mercedes antigas, BMW auto und motorrad, carros e motos antigas, scooters, bicicletas...
Sexo : Masculino Advertências : Sem restrição

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: História da linha - série 200 - W114/115 - Bestcars

Mensagem por Convidad em Sab 8 Mar 2008 - 11:36



Não acredito que seja de alumínio não. Acho que é normal.

Faça o teste com um imã.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum