Lei das Oficinas.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Lei das Oficinas.

Mensagem por Jorge Martins em Qua 28 Jan 2009 - 11:53

Nesta semana participei de uma palestra com o pessoal do sindicato de reparadores de veiculos, onde foi discutido a lei de regulamentação das oficinas. Eu acredito nesta idéia, porém sem divulgação não vejo como dar resultado.
Ajudem a divulgar!

Jornal oficina Brasil


Matéria da edição Nº215 - Janeiro de 2009
Texto: Alexandre Akashi
Legislação
A reparação ao um passo da regulamentação
Com base no treinamento, a Lei das Oficinas será em breve uma realidade no Estado de São Paulo. Veja como ela pode
Segurança. Essa é a palavra de ordem quando o assunto é o projeto de Lei nº 322, também chamado de Lei das Oficinas, de autoria do deputado estadual Major Olímpio (PV), que regulamenta o funcionamento das oficinas de reparação automotiva e estabelecimentos assemelhados, e está prestes a ser votado pela Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

Segurança para o consumidor, que passa a contar com mão-de-obra qualificada, pois as oficinas ficam obrigadas a manter um responsável técnico, tal como ocorre com as farmácias e o famoso farmacêutico responsável. E segurança para o reparador, que ganha uma forte aliada em casos de impasse com clientes que têm costume de economizar na hora de fazer manutenção preventiva e também a corretiva do veículo.

Mas, para se obter toda essa segurança é preciso que o reparador esteja atualizado. "Este é o ponto mais forte da lei", afirma o presidente do Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo), Antonio Fiola, ao explicar que o investimento contínuo no treinamento é uma questão de sobrevivência das oficinas. Fato é que nos dias atuais, a oficina que não possuir um scanner automotivo praticamente não realiza serviços de motor. E, para conseguir extrair o máximo das ferramentas de diagnose, é preciso conhecimento, treinamento e prática.

Assim, não é à toa que o projeto de lei exige que as oficinas mantenham em seu quadro de funcionários um responsável operacional pelos serviços executados, que atenda os requisitos de norma técnica de capacitação expedida pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Na prática, a norma ainda não existe, mas já está em fase de conclusão. No último dia 15, o Comitê Brasileiro Automotivo (CB-05) da ABNT aprovou a redação final da norma de qualificação do mecânico de manutenção de veículos rodoviários automotores, que será publicada nos próximos dias (veja detalhes no quadro).

Enquanto isso, a lei prevê que o responsável técnico apresente no mínimo treinamento de 400 horas ou 40 horas quando comprovar dois anos de experiência na atividade. "Foi-se o tempo em que as atividades de mecânica preventiva ou corretiva em veículos automotores eram consideradas amadoras ou artesãs, ou mesmo de baixa tecnologia, como ocorria antes do ano de 1990", escreve o deputado Major Olímpio, nas considerações de justificativa do projeto.



Treinamento

Atender esta exigência não é difícil. Existem diversos cursos oferecidos pelo Senai e também por escolas particulares que possibilitam ao reparador atender a lei. É preciso lembrar no entanto que o certificado seja expedido por instituição de ensino reconhecida oficialmente pelo MEC na área automotiva. Assim, certificados de treinamentos e palestras técnicas oferecidos pelas empresas não contam, para efeito da lei.

No entanto, o artigo 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Base da Educação, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, decreta que "o conhecimento adquirido na educação profissional e tecnológica, inclusive no trabalho, poderá ser objeto de avaliação, reconhecimento e certificação para prosseguimento ou conclusão de estudos".

Na prática, isso significa que qualquer pessoa que atua em determinada área de trabalho, independente de ter freqüentado um curso, pode, a qualquer momento, solicitar junto à Delegacia de Ensino da região onde mora ou trabalha, a aplicação de exame para obtenção de diploma, por instituição reconhecida pelo MEC. Assim, mesmo sem ter freqüentado um curso regular, o reparador pode requer uma avaliação e, caso aprovado, receber o diploma correspondente.



Benefícios

Fica claro, portanto, que a Lei das Oficinas beneficia o consumidor. É inegável a melhoria do serviço oferecido quando se tem certeza de que o profissional é comprovadamente capacitado para realizar determinado serviço. No caso da reparação automotiva, a segurança é fundamental.

Além da capacitação da mão-de-obra, a lei exige que os estabelecimentos utilizem, caso exista, equipamentos homologados pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial), principalmente os relacionados a medições de emissões de gases e os ligados diretamente a segurança veicular. Este é outro item que beneficia o consumidor, pois terá a certeza de que os equipamentos utilizados na reparação estão calibrados e aptos ao uso. "Não dá mais para esperar por uma lei como essa, ela faz o que é necessário, tanto em benefício para o consumidor quanto para o reparador", afirma o presidente do Sindirepa-SP.



Reparador

Se para o consumidor a lei é boa, para o reparador é melhor ainda. "Com a lei o reparador ganha respaldo legal contra maus clientes", afirma o assessor parlamentar do deputado Major Olímpio, Ricardo Jacob. Não é difícil encontrar casos de oficinas que tiveram problemas com clientes que decidiram fazer somente metade do serviço recomendado e, depois, foram acionados judicialmente por causa da reparação incompleta.

Isso porque na maioria dos casos a relação reparador-cliente é baseada na confiança de um simples aperto de mãos. Os mais precavidos tornam a ordem de serviço um documento assinado pelo cliente, com a relação descriminada dos serviços executados. Isso porém pode não ser suficiente, pois sempre existe a possibilidade de o cliente alegar desconhecimento das conseqüências da não substituição de todos os componentes recomendados.

Com a lei, o reparador tem ao seu lado a defesa técnica, gerada pela obrigatoriedade de se manter um profissional capacitado e diplomado. "O grande benefício que uma lei como esta traz para o setor é a oportunidade de todos crescerem tecnicamente, por meio de treinamento", afirma o presidente do Sindirepa, Antonio Fiola.

Assim, a aprovação da matéria pela Casa de Leis é um avanço para a sociedade paulista, mas, para que se torne realidade, será preciso ainda a sansão do governador José Serra e a publicação no Diário Oficial.

Veja no site do jornal Oficina Brasil ([Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] a íntegra da Lei.

CB-05 finaliza norma de qualificação do reparador

Não há mais desculpa. No último dia 15, o Comitê Brasileiro Automotivo (CB-05) da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) finalizou o texto da norma que define a qualificação de mecânico de manutenção de veículos rodoviários automotores. Assim, a partir da publicação do projeto 05:107.01-013, pela ABNT, que segundo o diretor de normatização e Certificação do Sindirepa-SP, Salvador Parisi, deve ocorrer ainda este mês, a profissão de reparador deixará de ser tarefa para aventureiros e se tornará uma atividade normatizada.

Parisi explica que a norma é o primeiro passo para a regulamentação do setor de reparação automotiva e que irá contribuir de forma positiva para o consumidor de serviços automotivos. "Com a norma, os donos de oficina mecânica terão uma referência na hora de contratar um reparador", afirma Parisi.

A norma é, portanto, uma referência de requisitos mínimos, que um profissional deve possuir para ser chamado de mecânico de manutenção automotiva. Dessa forma, o profissional que já atua no mercado deve possuir, para receber o título de mecânico de manutenção automotiva, ao menos a 4ª série do ensino fundamental e quatro anos como ajudante de mecânico ou três anos como mecânico.

Para quem possui o ensino fundamental completo é necessário três anos como ajudante de mecânico ou dois anos como mecânico automotivo e, para aqueles que possuem o ensino fundamental completo com curso profissionalizante na área de manutenção automotiva ou ensino médio completo basta dois anos como ajudante de mecânico ou um ano como mecânico automotivo.

Já os que pretendem entrar na profissão agora precisam ter a 4ª série do ensino fundamental e concluir o Módulo Básico, formado pelas disciplinas de gestão de oficina, informática básica, noções de mecânica, metrologia para mecânico, hidráulica e pneumática, eletricidade e eletrônica e noções de termodinâmica, além de uma das unidades dos Módulos de mecânicos de veículos leves ou pesados (veja figura).

"Esta é a exigência mínima e acreditamos que a grande maioria dos profissionais atuantes hoje no mercado se enquadram nela", afirma Parisi. A norma ABNT reforça a necessidade do reparador estar sempre atualizado, pois somente desta forma conseguira realizar diagnósticos precisos, além de efetuar corretamente os procedimentos de manutenção preventiva e corretiva.


Última edição por Jorge Martins em Qua 28 Jan 2009 - 12:06, editado 1 vez(es)

Jorge Martins
Usuário Prata
Usuário Prata

Número de mensagens : 312
Data de inscrição : 01/02/2008
Sexo : Masculino País : Brasil

http://www.sinalverdeimport.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Andre Buss em Qua 28 Jan 2009 - 11:56

Tomara que entre em vigor.

Andre Buss
Usuário Platina
Usuário Platina

Número de mensagens : 5697
Data de inscrição : 26/11/2007
Sexo : Masculino País : Estados Unidos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Convidad em Qua 28 Jan 2009 - 12:28

Tomara que entre em vigor. (2)

Sem sombra de dúvidas é a forma de se acabar com o Zezinho da Esquina, aquele que coba mais barato.
Entretanto, como tantas outras leis bem intencionadas desse país, não vejo forma disso vir a ser respeitado sem que haja uma fiscalização eficiente por meio dos organismos competentes. Quem vai fazer essa fiscalização?. Será que isso vai acontecer? Acredito que não.
Aqui em São Paulo esta em vigor a obrigatoriedade da inspeção veicular.
No primeiro ano dessa obrigatoriedade só vale nos carrros fabricados após 2003.
Como diz o Simão da Folha de São Paulo, é o país da piada pronta.
E eu acho que o Brasileiro, que se considera o cara mais esperto do mundo, vai continuar a procurar o reparador que cobre menos, não importando se ele é qualificado ou não, e colocando a familia para viajar dentro do carro depois.

Abraços,

Eduardo

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por JucaBala em Qua 28 Jan 2009 - 12:38

Ai sim, espero q saia do papel, pois soh assim vc terah como avaliar-o com mais clareza pq extrutuar as vezes nao eh tudo como um amigo aki postou e gostei do q disse, comparação de controle remoto de tv, aparelhos genericos soh fazem algumas funcoes nao por completo.
Estou passando por um problema e acabe fazendo amizade com o mecanico chefe da con. MB, um jovem de no maixmo 28 anos muito inteligente e esclarecido...



Entao subsentende q a safra jovem vem sem vicios e restrições e nascem no meio da tecnologia... A brincandeira continua a mesma soh q ao inves de joisticks, feramentas.




by Jukão!!!...

JucaBala
Usuário Bronze
Usuário Bronze

Número de mensagens : 55
Data de inscrição : 21/01/2009
Sexo : Masculino País : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Elizeu - O neófito em Qua 28 Jan 2009 - 12:54

Confrades,

Eu sinceramente sou cético em relação a isso, porque não se cria competência/honestidade, com Lei.

Quem vai ganhar são os donos dos "cursinhos de macânica", cuja qualidade não sofrerá nenhuma fiscalização.

LEmbram do KIT de primeiros socorros.....esse é uma genérico dele...rsrsrs

Abraços,

ELizeu.

Elizeu - O neófito
Usuário Ouro
Usuário Ouro

Número de mensagens : 602
Data de inscrição : 03/11/2008
Sexo : Masculino País : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Convidad em Qua 28 Jan 2009 - 13:44

O meu Baby tem o kit. Very Happy

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Elizeu - O neófito em Qua 28 Jan 2009 - 13:57

Eppico,

O baby também tem!

Mas o Kit que estou me referindo, é aquele que foi obrigatório há alguns anos, para todos os carros, e que não servia para nada, além de encher o bolso de quem os vendia.

Um forte abraço,

Elizeu.

Elizeu - O neófito
Usuário Ouro
Usuário Ouro

Número de mensagens : 602
Data de inscrição : 03/11/2008
Sexo : Masculino País : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por JucaBala em Qua 28 Jan 2009 - 14:02

Akilo foi um pouca vergonha!!!.


by Jukão

JucaBala
Usuário Bronze
Usuário Bronze

Número de mensagens : 55
Data de inscrição : 21/01/2009
Sexo : Masculino País : Brasil

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Jorge Martins em Qua 28 Jan 2009 - 15:49

A maior fiscalização quem pode fazer é o próprio consumidor, mas se as pessoas continuarem analizando sómente os preços praticados e deixarem a qualidade de lado ai tudo vai por agua abaixo.

Jorge Martins
Usuário Prata
Usuário Prata

Número de mensagens : 312
Data de inscrição : 01/02/2008
Sexo : Masculino País : Brasil

http://www.sinalverdeimport.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Andre Buss em Qua 28 Jan 2009 - 15:53

Tem gente que gosta de se enganar. Acho que a frase o barato sai caro se aplica.
Pessoal faz 200 orçamentos o mais barato leva.
Ninguém se pergunta como alguém cobra 10 e outro cobra 1 para fazer?
Será que quem cobra 10 não tem um gasto com impostos e equipamentos? Geralmente as pessoas não lembram desse detalhe.

Andre Buss
Usuário Platina
Usuário Platina

Número de mensagens : 5697
Data de inscrição : 26/11/2007
Sexo : Masculino País : Estados Unidos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lei das Oficinas.

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 10:40


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum